Vila Leopoldina

Luciana Tomas e Leôncio Pedrosa
1 de outubro de 2014
Elegância em 500 metros quadrados
7 de outubro de 2014

Ideal para viver com qualidade de vida, comércio abundante, áreas de lazer e facilidade de acesso

Foto: Ricardo Breda.

A Vila Leopoldina é perfeita para quem deseja morar perto de tudo sem abrir mão da tranquilidade. Delimitada pelas Marginais Pinheiros e Tietê e pelas avenidas Engenheiro Billings e Queiroz Filho, seu nome não é uma homenagem à princesa do Brasil, mas sim à Leopoldina Kleeberg, uma das sócias da empresa que loteou a região em 1894. Famosa por abrigar o maior entreposto de alimentos da capital, o Ceagesp e o Centro Cultural SESI, tem como vias principais à rua Carlos Weber, além das avenidas Dr. Gastão Vidigal, Mofarrej e Imperatriz Leopoldina. Esta última concentra uma grande variedade de serviços, como a Universidade de Mogi das Cruzes. Bem servida pelo transporte público, a mesma via tem diversas linhas de ônibus e uma de trem da CPTM.

Até 1990 o bairro tinha vocação industrial. “Após a desocupação pelas indústrias, surgiu uma sucessão de grandes lotes e galpões com preços atrativos, que possibilitaram a criação de condomínios residenciais completos. Hoje é uma ótima alternativa a Pinheiros, Alto da Lapa e Perdizes”, diz Paola Alambert, diretora de marketing da Abyara Brasil Brokers. Segundo a Urban Systems, atualmente o valor do metro quadrado no local é de R$ 8.660, quase 50%  superior a 2010. Sendo que um apartamento com 186 m2 custa em torno de 1,64 milhões de reais. Tal valorização se deve em parte, ao fácil acesso às marginais e rodovias, à proximidade ao Shopping e ao Parque Vila Lobos e também ao comércio variado. Por tais características, desde os anos 2000, fase do boom imobiliário, tem atraído famílias de médio e alto padrão. A arquiteta Cristiane Schiavoni é uma delas, que mora e trabalha na região. “Adoro o clima e as facilidades daqui, pois mesmo com o crescimento não perdeu sua atmosfera intimista”, finaliza.

Matéria publicada na edição 85.