Escolas adotam tecnologias verdes

Áreas externas
10 de março de 2014
Viveiro de Mudas
5 de fevereiro de 2016

Escolas adotam
tecnologias verdes

 

imagem_release_227057 imagem_release_227059 imagem_release_227063 imagem_release_227066

 

 

A escola deve ser um lugar privilegiado para que a necessidade de cuidar do meio ambiente seja percebida e resulte em ações positivas. Uma estrutura que usa com consciência recursos como água e energia e que possibilita o contato com a natureza favorece o aprendizado de conceitos socioambientais e a construção de valores fundamentais.

Uma aula sobre alimentos pode ser vivenciada em uma horta. E se houver falta de espaço, já existe um sistema que possibilita o cultivo na vertical. É possível montar, ainda, paredes verdes e até um sistema de tratamento de resíduos orgânicos integrado ao telhado verde, que reutiliza a água tratada internamente na descarga de sanitários e na própria jardinagem. “A economia de água pode chegar a 70%. Além de economizar, a escola ficaria mais independente do serviço de água, pois teria sua própria reserva”, diz o engenheiro agrônomo João Manuel Feijó, da Ecotelhado – empresa especializada em infraestrutura verde.

A boa notícia é que já existem bons exemplos em algumas cidades brasileiras. É o caso da Escola Estadual Erich Walter Heine, no Rio de Janeiro, que foi a primeira da América Latina a receber a certificação LEED Schools, da Green Building Council. A captação de água da chuva é feita pelo telhado verde, que conta com uma vegetação especial para diminuir a absorção de calor e reabsorver a água pluvial. O sistema gerou uma redução mensal de R$ 4 mil para R$ 1.600 na conta de água, e de R$ 4.500 para R$ 1.800 na conta de luz. O espaço é utilizado para aprendizado.

O Colégio Santa Cruz, no Alto de Pinheiros, em São Paulo, também integra a lista de instituições que trazem a biodiversidade para dentro da escola. São 50 mil metros quadrados de área, com amplas instalações em meio a extensos jardins e coberturas verdes, que trazem conforto térmico interno e contribuem para melhorar o ar da cidade e reduzir enchentes, já que a água deixa de ser escoada para a rua.

Em Porto Alegre, o Colégio Israelita Brasileiro enfrentava problemas com a alta temperatura interna de muitas salas. Um estudo feito pela escola mostrou que a instalação isolada de ar condicionado elevaria muito o custo com energia na escola, além de não ser nada sustentável. Foi, então, que a equipe optou por atrelar o uso do equipamento com telhados verdes. São mil metros quadrados de Ecotelhado. A cobertura verde reduziu o calor nas salas, e o ar condicionado é usado com moderação em dias mais quentes.