O traço curvilíneo e impactante de Ruy Ohtake

470 m² de branco, vermelho e preto
22 de julho de 2016
Conforto luxuoso
1 de dezembro de 2016

O traço curvilíneo e impactante de Ruy Ohtake

Aos 77 anos, ele ainda se dedica totalmente a seus projetos e acompanha pessoalmente cada minúcia de seu trabalho.

EBO_4215

“Desenhar um projeto é sentir nos dedos e nas mãos aquilo a mente está criando”

 

“Arquitetura é obra construída”. É dessa forma aparentemente simples que Ruy Ohtake resume a profissão que exerce há mais de meia década. Aos 77 anos, ele ainda se dedica totalmente a seus projetos e acompanha pessoalmente cada minúcia de seu trabalho. “A criação é o primeiro passo, que se consolida apenas quando é construída e participa do espaço urbano. Elaboro arquitetura quase que visceralmente, desde os estudos iniciais até sua concretização”, revela.

Após tantos anos de entrega, não por sorte ou por acaso que o arquiteto é um dos mais renomados do país. Em números, ele acumula mais de 25 prêmios e tem cerca de 300 obras no Brasil e no exterior, muitas delas admiradas não apenas por profissionais da área, como é o caso do Instituto Tomie Ohtake, do icônico Hotel Unique, do Parque Ecológico do Tietê e da Fundação Carlos Chagas, todas essas em São Paulo.

A exemplo da mãe, a artista plástica Tomie Ohtake, Ruy também gosta de explorar as curvas e as cores fortes. Nas palavras dele, seus traços curvos são “a sinfonia” e as cores fortes que usa são “compromissos”. “A reta é previsível, a curva é surpreendente”, crava.

 

“A superposição delas provoca um movimento sinfônico, enriquecido com luz e sombra, vigor ou suavidade, o dia ou a noite. Perceber ricas situações diferentes de uma mesma obra é a beleza da arquitetura”, explica ele.

 

Um exemplo é a mesa Sinfonia, lançada recentemente no DW!, ocasião em que foi homenageado pelo BOOMSPDESIGN como designer do ano.

 

O Complexo Aché Cultural, que também abriga o Instituto Tomie Ohtake. Composto por base sinuosa e duas torres, trata-se de um espaço inédito em que cultura, trabalho e lazer são naturalmente integrados.

O Complexo Aché Cultural, que também abriga o Instituto Tomie Ohtake. Composto por base sinuosa e duas torres,trata-se de um espaço inédito em que cultura, trabalho e lazer são naturalmente integrados.

 

Na Embaixada Brasileira em Tóquio, as curvas em sentidos opostos do prédio principal e da praça fronteiriça amarelo-gema valorizam uma a outra, nessa construção em que um dos desafios era adequar suas proporções à estreita rua, com 5,9 m de largura, característica da malha urbana da cidade japonesa.

Na Embaixada Brasileira em Tóquio, as curvas em sentidos opostos do prédio principal e da praça fronteiriça amarelo-gema valorizam uma a outra, nessa construção em que um dos desafios era adequar suas proporções à estreita rua, com 5,9 m de largura, característica da malha urbana da cidade japonesa.

As “cores compromisso” estão presentes desde o início da carreira e continuam protagonistas também em seus mobiliários.

“Chamo-as assim porque são escolhas que enfatizam a criação. As cidades brasileiras sempre foram de colorido expressivo. Na proposta de contemporaneidade, retomo essa característica bem brasileira, fortalecendo a identidade cultural. Acho ótimo que nos últimos anos mais arquitetos começaram a usar a cor sem medo e com ousadia”, diz.

No entanto, o básico para Ruy é traçar projetos ricos em convivência, ou seja, a prioridade é sempre a “praça”, onde se reúnem familiares e amigos. “Em áreas planas, ela ocupa a parte central de onde se distribui todo o resto, a partir da entrada. Nos terrenos de relevo acentuado, o visual é privilegiado, então a praça é defronte à vista”, diz. Um exemplo do último caso é o Conjunto Habitacional Heliópolis, composto por prédios de quatro andares – os “redondinhos” – cercados por um parque para as crianças. “É emocionante ouvir das famílias que nunca imaginariam que um dia viveriam em um lugar assim. Cada vez mais reconheço que a arquitetura e o urbanismo podem contribuir para uma cidade mais aberta, democrática e igualitária”.

 

Composição de curvas, retas e cores marcam o trabalho de Ruy Ohtake, que exibe uma de suas mais recentes criações, a mesa Sinfonia, produzida pela Mekal.

Composição de curvas, retas e cores marcam o trabalho de Ruy Ohtake, que exibe uma de suas mais recentes criações, a mesa Sinfonia, produzida pela Mekal.

 

Perfil

Naturalidade: São Paulo
Formação: arquitetura e urbanismo na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (1960)
Tempo de atividade: 55 anos
Prêmios: cerca de 25 prêmios ao todo, entre eles o Colar de Ouro (2007), maior condecoração do Instituto de Arquitetos do Brasil
Principais obras: em São Paulo, hotéis Unique e Renaissance, Centro Cultural de Guarulhos, Instituto Tomie Ohtake, Parque Ecológico do Tietê, Fundação Carlos Chagas, Conjunto Habitacional Heliópolis, terminais Sacomã e Mercado.
Estilo: brasileiro contemporâneo.
Mobiliário: um móvel pode definir ou caracterizar bem um espaço da casa. Um móvel que faz parte da arquitetura específica da casa é único.
Cores: uso cores fortes. Digo que são cores compromisso pois é uma escolha que enfatiza a criação, porque os tons claros ou pastel não carregam esse engajamento que acho conceitual. As cidades brasileiras são de colorido expressivo. Desde os primeiros projetos já procurava usar cores (casas Paulo Chedid, Chiyo Hama e Tomie Ohtake), como amarelo gema, vermelho, verde musgo, azul forte.
Desafios: o maior desafio é criar coisas bonitas e inovadoras. É preciso ter uma dose de ousadia e também de intuição, no sentido de confiar naquilo que se está compondo.
Arquitetura é: é a arte que se integra ao espaço urbano, que abre espaços internos para os usuários e os frequentadores, em ambientes intrigantes e agradáveis. A arquitetura deve magnetizar a cidade, as pessoas.
Morar bem é: por exemplo, a dignidade e a beleza dos “redondinhos” da comunidade de Heliópolis, o entusiasmo de seus moradores com os amplos visuais que os edifícios circulares permitem. Sol e ventilação. Morar num parque.

 

Por Marina Sola
Imagens Éder Bruscagin e Divulgação
Matéria Publicada em Revista Decorar 104.

 

Faça o download do app Decorar e tenha acesso à todas as edições!